Mercados de Luanda

•September 28, 2007 • Leave a Comment

Nos mercados de Luanda, como o famoso Roque Santeiro, o dos Congoleses, o Katim-Tom ou Quicolo todos se agrupam por áreas, das frutas e perecíveis aos enlatados, dos tecidos vários aos materiais de construção, daqueles que confeccionam comida às mulheres que aplicam cabelo. E em cada uma destas áreas são vários os intervenientes, cada qual com um diferente grau de responsabilidade. É necessário entender quem é quem para negociar.

O mar de gente aparenta o caos total, mas não obstante tudo acaba por funcionar incrivelmente como no mais oleado mecanismo de precisão.

(Luanda, 25 de Agosto de 2007)

Páginas de Diário

•September 28, 2007 • Leave a Comment

Luanda.

É domingo e eu não suporto os domingos. Aqui suporto-os ainda com mais dificuldade, pois preciso de um condutor e o motorista que está comigo não trabalha aos domingos. Sinto-me preso, sem movimentos possíveis, inquieto.

Por minha vontade todos os dias saíria de manhã bem cedo para regressar apenas à noite. Desta forma, nas duas semanas que me restam em Angola para fazer o trabalho que me foi proposto estou certo que o poderia fazer na perfeição.

Na semana que passou senti algumas dificuldades, pois o carro que utilizei teve de ser utilizado também para algumas outras saidas que não as minhas, e acabei por apenas trabalhar dia sim, dia não, e isso acaba por cortar bastante o andamento do trabalho e deixa-me um pouco preocupado com o tempo que me resta e até desmotivado. Ainda assim, apesar de haverem elementos que gostaria de incluir mas que não tive tempo, pelo menos a área norte de Luanda está relativamente coberta. Fui à barra do Dande e o cenário agradou-me bastante. Faltou-me, no entanto, nessa viagem, o tempo necessário para ir documentando locais onde comer e onde procurar alojamento. Precisaria de mais um ou dois dias de viagens para norte.

Agora, nas duas semanas que ainda aqui tenho falta-me documentar ainda alguns locais de Luanda e toda a área sul: praias até Cabo Ledo, Museu da Escravatura, Miradouro da Lua, Reserva Natural da Quiçama. Espero sinceramente que o consiga fazer em condições, pois confesso que não ter podido usar o carro na medida em que realmente precisava e tinha planeado me preocupa bastante.

Mas, voltando ao início, hoje é domingo e eu em vez de estar num local agradável à beira-mar, escrevendo estas palavras (e apenas eu sei como isso neste momento me faria falta para desanuviar e colocar de novo as ideias no lugar), estou fechado em casa sem já nada para fazer. E nem ao computador me posso sentar a trabalhar pois viemos ontem para casa de outra pessoa ver a final do Afrobasquete e por aqui ficámos. Estou na sala, no sofá, pensando em tudo o que não posso fazer neste momento, preocupado e aborrecendo-me de morte.

É verdade, Angola ganhou a competição.

Luanda, 26 de Agosto de 2007